segunda-feira, dezembro 01, 2008

MSN LESS


Houve uma época em que os seres humanos dialogavam entre si, pessoalmente, um de frente para o outro, cara-a-cara. Mas estes eram tempos difíceis onde o mundo se abalava com alguns imóveis sobrando nos EUA e os caldos de galinha eram vendidos em pequenas barras.

Nesta época, as pessoas estavam dando o primeiro passo para a evolução mundial utilizando-se de ferramentas de comunicação instantânea. O contato, até então pessoal, estava caminhando para o contato virtual. As listas de amigos cresciam a cada dia e a vida primata de conversar pessoalmente com outro ser humano estava ficando para trás.

Tudo ia bem, até que um dia, em uma grande corporação, de uma cidade mediana, em um estado relativamente grande, de um país de terceiro mundo, alguns trabalhadores resolveram que assim não estava bom.

Com uma manobra arriscada que poria toda a vida do planeta em risco, eles resolveram bloquear a utilização do MSN nas dependências da empresa.

O caos estava criado. Pequenos núcleos de histeria coletiva começaram a surgir. Cada trabalhador, sentado em sua mesa, passou a conviver com a terrível possibilidade de terem que levantar de suas cadeiras e conversar pessoalmente com outro colega.

Como poderiam reunir tantas pessoas juntas em uma única sala para uma reunião? Como soletrariam as palavras que foram especialmente evoluídas e abreviadas em uma conversa ao vivo? E os milhares de emoticons que brilham, piscam e demonstram os mais sinceros sentimentos? Como utilizá-los em uma conversa ao vivo?

A primeira semana foi a pior. Ningu[em ousava sequer olhar para o lado com medo de uma conversa ser iniciada. O silêncio era ensurdecedor. Todo o trabalho de meses foi terminado em duas semanas. A tal produtividade foi às alturas.

Aos poucos as pessoas foram se soltando e na fila do café, alguns mais abusados já arriscavam soltar pequenos sorrisos imaginando uma carinha amarela surgindo. Demorou um pouco para as coisas voltarem a fluir corretamente. O desafio de criar uma linguagem que não fosse abreviada e a demora para desenhar emoticons em folhas de papel durante um diálogo foram os pricipais problemas. A convivência mútua fracassou.

Depois de 1 ano e meio, com lucros extremamente altos, funcionários que não conversavam e só trabalhavam e sem mais mercado para consquistar, a utilização da ferramenta foi novamente liberada.

Em pouco mais de 3 meses, tudo voltou ao normal. Os lucros caíram, as pessoas voltaram a sorrir com suas carinhas amarelas e a humanidade, sem precisar conviver pessoalmente com outros da mesma espécie, se salvou.

2 comentários:

Tiago Setti disse...

Carnaval coloquei seu blog no wordle e olha só como estão suas idéias

http://www.wordle.net/gallery/wrdl/356533/Carnaval

Carná disse...

Que massa hein Setti. Minha maior ideia foi um Tijolo??? Haahahaha.... muito bom!!!